Existem programas que são verdadeiras políticas públicas de promoção da paz social e solução de conflitos, por vezes, adotando técnicas e construções conceituais inovadoras, que podem ser criadas e desenvolvidas tanto pela sociedade como pelo Poder Judicial.
Tais políticas podem se tornar novas vias de acesso à solução de conflitos, contribuindo com a ideia de “Fórum Multiportas”. Além disso, podem assumir caráter complementar, não necessariamente substituindo as vias tradicionais.
Vamos a algumas dessas soluções.
5.1 JUSTIÇA RESTAURATIVA
A Justiça Restaurativa é uma construção voltada ao tratamento de situações conflituosas envol- vendo especialmente, mas não exclusivamente, ilícitos penais. Tem como uma das ideias centrais o trabalho voltado à relação vítima-ofensor, valendo-se da escuta como uma das mais importantes ferramentas. Tem inspiração em práticas de civilizações antigas.
Um dos objetivos do modelo restaurativo é tratar ou reparar o dano causado pelo infrator, mas com foco na vítima. Nesse sentido, não implica necessariamente a substituição da pena, mas caminhar de forma paralela a esta. Dessa maneira, contrapõe-se ao conceito de Justiça Distributiva, relacionada à aplicação da pena.
A Resolução CNJ no 225/2016 estabelece diretrizes para a implantação da Justiça Restaurativa, assim tratada como política pública judiciária.
Na prática, uma das principais formas de execução da presente proposta é a criação de condições seguras e adequadas para o desenvolvimento do diálogo entre a vítima e o ofensor.
5.2 CONSTELAÇÕES FAMILIARES
A Constelação Familiar é uma abordagem terapêutica, que procura trabalhar problemas, dificulda- des e outras questões psicológicas por meio do diálogo direcionado e com a montagem de cenários. Conta com a participação de pessoas que buscam retratar os vínculos familiares daquele que se submete ao procedimento. Essa técnica vem sendo adotada pelo Poder Judiciário primordialmente para a busca do consenso e tratamento de conflitos de família, mas vem alcançando outros tipos de conflito gradativamente.
Uma das premissas da Constelação Familiar é a existência de influências sobre os membros do grupo familiar que vão além dos aspectos genéticos e da convivência. Assim, procura-se trabalhar os vínculos presentes e passados, permitindo-se, por meio do processo terapêutico, compreender melhor essas relações, tratando a família como um sistema.
Uma das condições fundamentais para a adoção dessa abordagem é a legítima, convicta e voluntária adesão da parte. Além disso, é igualmente essencial que o condutor do procedimento o conheça pro- fundamente sendo, preferencialmente, profissional da área da psicologia. Atualmente, os Tribunais que adotam essa proposta têm reportado índices satisfatórios de acordo.
5.3 JUSTIÇA TERAPÊUTICA
A Justiça Terapêutica, amparada na Lei no 11.343/2006, é uma proposta que procura tratar situações relacionadas à prática de infrações penais nas quais o infrator tem problemas de dependência quí- mica. Neste formato, a resposta penal do Estado não resolve efetivamente o problema. O principal obje- tivo da Justiça Terapêutica é que o infrator-usuário possa se tratar e superar a dependência química.
5.4 PROGRAMA DE MEDIAÇÃO COMUNITÁRIA
O Programa de Mediação Comunitária é uma política pública atualmente adotada em algumas unidades da federação, voltada à execução da ideia de Justiça Comunitária. Uma das bases de funcionamento é a oferta de treinamento e habilitação de agentes comunitários para o exercício de atividades de superação e tratamento de conflitos.
Além de consistir em importante meio de pacificação social, a mediação comunitária auxilia na redução da violência e da criminalidade.
Outras diretrizes da mediação comunitária são o diálogo, a cooperação, a busca de restauração das relações e a responsabilidade coletiva pela harmonia do ambiente comunitário.
O Poder Judiciário tem relevante atuação na execução e disseminação dessa política pública, promo- vendo também o treinamento dos mediadores comunitários.
5.5 PROGRAMA PACIFICAR É DIVINO
O Programa Pacificar é Divino, adotado em alguns Tribunais de Justiça, é uma política pública específica que trabalha com ideia semelhante à da Mediação Comunitária.
Uma das principais frentes de execução do programa é a capacitação de religiosos como mediadores e conciliadores.
Entre as bases da proposta, destaca-se a ideia de que tais religiosos já exercem o papel de aconse- lhamento nas igrejas, templos e centros de exercício da religião. Com isso, tais espaços também se tornam ambientes de busca do consenso para superação de conflitos.

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR

1. 11FAC
11º Curso de Formação de Mediadores e Conciliadores EAD - CNJ
Unidade 1 
Texto de apresentação elaborado por Roberto Portugal Bacellar
5.2 Centros judiciários de solução de conflitos
Política judiciária de tratamento dos conflitos • Centros judiciários de solução consensual de conflitos – estrutura, organização e funcionamento.
Unidade 5
Como realizar um resumo
A preparação do resumo e a estruturação de uma pauta nas audiências de mediação ou de conciliação
Por Taís Schilling Ferraz e Roberto Portugal Bacellar
5.6 Referências
Política judiciária de tratamento dos conflitos
Unidade 5
3. Das competências comunicacionais
As competências comunicacionais do mediador e o ambiente da mediação
Unidade 3
Texto de abertura elaborado por: Rodrigo Rodrigues Dias
5.1.1 Estruturação e alcance
Estruturação e alcance da política judiciária nacional de solução adequada de conflitos
Unidade 5
Texto de abertura elaborado por: Taís Schilling Ferraz​​​​​​​
5.3 Conciliadores e mediadores: requisitos de formação.
Política judiciária de tratamento dos conflitos
Unidade 5
5.1 Política judiciária de tratamento dos conflitos
Estruturação e alcance da política judiciária nacional de tratamento adequado dos conflitos de Interesses
Unidade 5
Por Valeria Ferioli Lagrasta, Rogério Neiva e Arthur Napoleão
5.4 Áreas de utilização da conciliação e da mediação
Política judiciária de tratamento dos conflitos
Unidade 5
4. Etapas da Mediação
Etapas da mediação e técnicas associadas
Unidade 4
Por Valeria Ferioli Lagrasta e Mauro Braga. Texto de abertura elaborado por: Rodrigo Rodrigues Dias.
VOLTAR AO TOPO